terça-feira, 4 de abril de 2017

NOVO PROGRESSO SÓ TEM 20% DE TERRITÓRIO LIVRE PARA EXPANDIR SUA CADEIA PRODUTIVA. ENGESSAMENTO AMBIENTAL RETRAI E PARALISA INVESTIMENTOS.

Consórcio tem sido incansável na luta contra MP 756

Um dos maiores gargalos na jornada da comissão de trabalhos quanto a MP 756 está focada na redução da área engessada dentro da Flona Jamanxin que atualmente está com 80,50% de restrição. Dentro das emendas há várias propostas sobre redução territorial.  

As emendas para alteração da MP -756 das emendas dos deputados federais Nilson Leitão e José Priante e do Senador Flexa Ribeiro pedem que caia para 74,23% das áreas protegidas.    O senador Paulo Rocha e o deputado federal Jader Barbalho (PMDB) propõem menos ainda e a alteração pedida na MP 756 é que o percentual caia dos atuais 80% para apenas 61,49%. 

reunião de trabalho para avaliar solução ao conflito

Com a criação da Flona há cerca de11 anos, relatório oficiais técnicos comprovam com exatidão como ficou a área territorial de Novo Progreso com a criação da Flona Jamanxin. O município perdeu para s leis ambientais 229.760.65 há de áreas de ampliação foram afetadas, enquanto que a área de vegetação nativa da área afetada ficou em 125.554.41 há. E o mais grave já que 104.205.24ha de área de pastagem foi afetada equivalendo a um total de 295 prioridades rurais afetadas, inviabilidades de qualquer atividade econômica.

 
Traçando um quadro sintético da atual situação econômica do município, Neri dos Prazeres afiança que a principal economia de Novo Progresso é o agronegócio com 50%, vindo a exploração aurífera (extração de ouro) em segundo com 30%,enquanto em terceiro lugar no ranking de economias que aquecem a economia local vem o setor madeireiro com 20% , mas também combalido por medidas ambientais  que hoje está consolidado em termos de propostas como resolução desse grave problema do engessamento de 80% do território de Novo Progresso já se passaram 11 anos desde a criação da Flona Jamaxin.

 
Atualmente após o município entrar na Flona Jamaxin na área há um total de 1.301.120.00 há, dentro da batalha ferrenha da comissão e dos anseios da população e principalmente de todos os setores produtivos é que a área seja desafetada enquanto proposta para 415.422.5049 há.  Proposta de alteração de limites da Flona Jamaxin consolidadas ao longo de 11 anos de incansável luta.

 Para mostrar a tragédia econômica que está iminente sobre uma região próspera o secretário executivo do Consorcio Tapajós ilustra seus argumentos em números, explicando que hoje a soja produzida em Novo Progresso corresponde a 70 sacas por hectare, enquanto a de Mato Grosso representa apenas 60 sacas igualmente por hectare, plantada por produtores do Paraná, Mato Grosso e outros estados que sinalizam bons lucros nessa atividade. 

Com esses números Neri garante que a qualidade da soja é igual ou superior a de mato Grosso. Mas o carro chefe que leva novo progresso a um excelente ranking no Brasil não fica apenas na produção da soja, pois o município conta hoje com um dos maiores rebanhos bovinos da raça Nelore do Pará e do pais em torno de dois milhões, com queda de duzentos mil devendo hoje estar com hum milhão e oitocentas mil cabeças, o que garante bons índices de exportação, inclusive Nery enfatiza que o maior empresa do Brasil e do mundo a JBS da marca Friboi é a maior compradora do rebanho de Novo Progresso.

 O Município conta com um grande frigorífico Novo progresso atualmente com novo nome  frigorífico redentor, abate quinhentos bois por dia, enquanto outra expressiva quantidade é levada para Mato Grosso para abate para atender a demanda de venda. 

 Com esses números fabulosos da economia hoje estagnada já que a indefinição da MP que ainda não foi aprovada provoca retraimento para o investidor que pensa em comprar ou em vender, já que indistintamente essa MP 756 pode atingir todo o setor produtivo de Novo Progresso com respingos em diversas outras regiões adjacentes inclusive Itaituba e outras cidades que indiretamente também ganham com as cadeias produtivas de Novo progresso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário