quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Instituto confirma morte de macaco por febre amarela no oeste do Pará IEC irá notificar Ministério da Saúde e regional da Sespa sobre o caso. Cinco macacos foram encontrados mortos com suspeita da doença.

IEC analisa morte de macacos em Ruropólis e Itaituba

Instituto confirma morte de macaco por febre amarela no oeste do Pará IEC irá notificar Ministério da Saúde e regional da Sespa sobre o caso.

 Cinco macacos foram encontrados mortos com suspeita da doença. A preocupação com a morte dos animais começou depois que mais de 340 macacos morreram no sudeste do Brasil com febre amarela.

 Os macacos são hospedeiros do vírus da doença.   • Mortes de macacos no oeste do Pará preocupam autoridades O Instituto Evandro Chagas e a Secretaria de Saúde do Pará (Sespa) deram início à investigação sobre a mortes de cinco primatas nos municípios de Rurópolis e Itaituba, no oeste paraense, no início do mês.

 A comunidade onde os macacos morreram fica na divisa da Floresta Nacional do Tapajós, por isso, as investigações também foram feitas nessa área de mata. Segundo o IEC, após a confirmação do resultado positivo, o Ministério da Saúde e a 9ª regional-Santarém/SESPA deverão ser notificados. 

Diante da suspeita dos casos, a Secretaria de Saúde de Itaituba aumentou o número de vacinas contra a febre amarela nos postos de saúde do município, de 17 mil para 40 mil doses. A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) ressalta que as equipes continuam em campo investigando e orientando a população sobre as formas de prevenção da febre amarela.

 A Sespa ainda informou que será feito um Plano de Contingência específico para a região do Oeste e Baixo Tocantins, além da intensificação da vacinação nas localidades rurais e de mata.  Após analisar amostras de macaco encontrado morto no oeste do Pará, o Instituto Evandro Chaga confirmou que a febre amarela foi a causa da morte do primata.

 (Foto: Tarso Sarraf/O Liberal) tópicos: • Itaituba, • Rurópolis

Nenhum comentário:

Postar um comentário