terça-feira, 27 de outubro de 2015

OMISSÃO DO GOVERNO PODE GERAR CONFLITOS ENTRE GARIMPEIROS E MINERADORA NO GARIMPO DO ÁGUA BRANCA

conflito em garimpagem, tradicional e a emresarial
O cenário de desorganização e omissão dos governantes  NAS TRÊS ESFERAS ADMINISTRATIVAS já é histórica quanto a garimpagem em nossa região.  Tanto que o tema voltou a ser discutido na sessão ordinária desta terça feira dia 27/10, pelo vereador Peninha. 
  
O vereador chamou a atenção para a gravidade de um  fato que pode culminar num conflito social/ econômico entre a empresa Brasauro e os garimpeiros do garimpo do Àgua Branca. 

 Para o edil do PMDB não são apenas as questões ambientais que envolvem a garimpagem no Tapajós, mas a ausência de uma política de estado para organizar a atividade da mineração que ainda tem elevada demanda com milhares de pessoas envolvidas.  Peninha faz questão de reiterar em seus discurso que graça a nossa potencialidade aurifera,  Itaituba vem suportando bem a onda da crise econômica que assola o pais, considerando que o ouro é uma garantia pelo seu alto valor de mercado com sua cotação em dólar. 
Tapajós ainda é muito rico em ouro

A garimpagem em nossa região remonta a década de 50 (1958) e até os dias atuais continua forte como principal economia de Itaituba e região do Tapajós.  A cada dia que passa, nossa região surpreende, mas sempre produzindo ouro e até diamante está sendo explorado hoje no Tapajós, lembrou Luiz Fernando Sadeck dos Santos.

 Mas a figura do garimpeiro como principal agente dessa produção já que as empresas mineradoras comercializam o que produzem fora não deve ser esquecido.  A região movimenta de acordo com Peninha algo em torno de hum milhão de reais por dias, o que de fato protege Itaituba de qualquer crise.   Por estes números importantes o edil ressalta que é importante que seja dado apoio incondicional aos pequenos garimpeiros, mas também não deixando de lado a importância das empresas mineradoras que geram divisas e emprego para a região também. 

Por este motivo, temos que apoiar a garimpagem dos pequenos garimpeiros, claro, não deixando de também apoiar as empresas mineradoras que aqui chegam para se instalarem, gerando emprego e divisas para nosso município. Peninha afiançou que a chegada das empresas mineradoras, tem sido causa de muitos conflitos na região do Tapajós e que é preciso que seja tomada alguma medida para minimizar para que não haja um conflito de maiores proporções.

 Para Peninha há uma forma de se resolver a questão sem conflito tendo em vista que O garimpeiro trabalha na extração do ouro aluvionar, enquanto a mineradora EXPLORA O OURO PRIMÁRIO EXTRAIDO DAS ROCHAS, QUE REQUER MÁQUINAS E TECNOLOGIAS. o Presidente da Cooperativa dos Garimpeiros do Água Branca, Francisco Dias Silva, conhecido por França foi quem levou a denuncia ao vereador pedindo providências    da Câmara. Ele propôs que a Câmara intermedeie uma reunião entre a Cooperativa e a empresa Brazauros para que se chegue a um consenso e se evite confrontos,  um conflito entre garimpeiros e homens da empresa, lembrou o vereador.

 . Segundo o Presidente da Cooperativa, dezenas de garimpeiros estão trabalhando há anos em uma área requerida para pesquisa pela Brazauro  e agora estão sendo ameaçados de serem retirados, continuou Peninha.  A Brazauro Recursos Minerais S.A requereu em 2010, uma área de 9.783,72 hectares, localizada na região do Tocantinzinho, onde centenas de garimpeiros estão trabalhando há anos. A empresa, inclusive já instalou sua estrutura na área e vem pesquisando algum tempo,  concluiu o vereador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário