sábado, 26 de setembro de 2015

Kátia Abreu fica na Agricultura e Pesca Ministérios - Pastas serão fundidas na reforma administrativa do governo, que deverá ser anunciada só semana que vem ________________________________________

Em declaração à Rádio CBN de São Paulo, ontem à noite, o vice-presidente Michel Temer informou que o anúncio da reforma ministerial, previsto para hoje, poderá ser adiado para a semana que vem. Até lá, continuam as negociações do governo, especialmente com o PMDB. De acordo com o colunista Gerson Camarotti, do portal G1, a presidente Dilma Rousseff decidiu, ontem à noite, não fazer mais a fusão das pastas da Aviação Civil e dos Portos para criar o Ministério da Infraestrutura.

 Preocupada com a reação do PMDB, Dilma falou com caciques peemedebistas e disse que manteria as duas secretarias para que o partido fique com seis ministérios. Com isso, o PMDB deve ganhar o Ministério da Saúde e manterá Minas e Energia, Agricultura (que passa a incorporar a Pesca), Turismo, Portos e Aviação Civil. Já estão assegurados os ministros Eduardo Braga (Minas e Energia) e Kátia Abreu (Agricultura e Pesca). De acordo com Camarotti, Dilma sinalizou que deseja manter Eliseu Padilha (Aviação Civil) e Henrique Eduardo Alves (Turismo). 

Mas pediu um entendimento no PMDB. O Ministério da Saúde ficará com a bancada da Câmara. E Dilma ainda tenta encontrar uma solução para o ministro Hélder Barbalho (Pesca), filho do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), que, até agora, fica sem pasta na reforma ministerial. “A presidente Dilma desistiu de juntar Portos e Aeroportos. 

Ela quer contemplar o PMDB. Sabe que o partido é fundamental para a governabilidade”, explicou ao Blog um dirigente peemedebista que está nas negociações. “Inicialmente, o PMDB ficaria só com três pastas”, afirmou. Antes da declaração de Temer, sobre o adiamento do anúncio, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), afirmou que a presidente quer anunciar a reforma ministerial antes de viajar para Nova York, prevista para a tarde de hoje. 

Ele se reuniu com a presidente no Palácio Alvorada, juntamente com Michel Temer e o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, do PMDB, que estaria mantido na equipe ministerial. Segundo o senador, Dilma afirmou durante a manhã que está “fechando o cenário” da reforma e que, até o fim da tarde de ontem, o chamaria novamente para apresentar o resultado das negociações no que se refere à participação do PMDB no Senado na reforma ministerial. Eunício declarou, entretanto, que a bancada do partido no Senado não tem novas reivindicações por espaço na composição ministerial. “Pode manter Kátia [Abreu, ministra da Agricultura], pode manter Eduardo [Braga]. O PMDB no Senado não tem reivindicação nova”, afirmou, em referência aos ministros peemdebistas com aval da bancada do partido no Senado. “Coloquei que, na questão do Senado, que defendemos aqui durante o tempo todo redução de ministério e corte de orçamento, não tínhamos nenhum modelo a apresentar e nenhuma reivindicação adicional ao que já existe em relação à participação do PMDB no Senado na questão administrativa”, afirmou Eunício.

 “A bancada do Senado não tem reivindicações sobre ampliação do espaço na reforma”, reforçou. O PMDB atualmente tem seis ministérios – Turismo, Agricultura, Aviação Civil, Assuntos Estratégicos, Minas e Energia e Portos. Com a reforma administrativa, o partido deve ficar com quatro pastas – dois indicados pela bancada na Câmara e dois, pela bancada no Senado. Uma reclamação recorrente entre os peemedebistas é de que os atuais ministros não representam a preferência do partido. A bancada do PMDB na Câmara se reuniu nesta terça (22), por quase duas horas, para definir os nomes que seriam indicados a Dilma para o Ministério da Saúde e para uma nova pasta que poderá ser criada, o Ministério da Infraestrutura. 

O nome com maior apoio da bancada para comandar o Ministério da Saúde é o do deputado Manoel Junior. As alternativas para essa pasta são Marcelo Castro e Saraiva Felipe. O PMDB também tentará manter Henrique Alves na pasta do Turismo, ainda que seja fundida com outros ministérios. O nome dele, porém, não foi endossado pela bancada do partido na Câmara. 

 O Liberal Digital! ________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário