sábado, 12 de setembro de 2015

Inquérito do caso Joelma e Chimbinha muda de delegacia Acusação de perseguição e ameaça do músico contra a cantora foi transferida para a Delegacia da Mulher ________________________________________

O inquérito policial que vai apurar a acusação de perseguição e ameaça do guitarrista Cledivan Almeida Farais, o Chimbinha, da Banda Calypso, contra a cantora Joelma da Silva Mendes, foi transferida ontem para a Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de Belém. A determinação partiu da Delegacia Geral de Polícia Civil. No Boletim de Ocorrência (B.O.)

cantora registrando B.O. Foto o Liberal ORM

 registrado no dia anterior na Delegacia do Jaderlândia, em Ananindeua, Região Metropolitana, a vocalista afirma que, desde que decidiu se separar do músico por motivo de traição, ele passou a perturbá-la constantemente telefonando para pessoas próximas a ela e que teme pela própria integridade física. A advogada de Joelma, Patrícia Baía, reuniu-se ontem à tarde com a delegada Daniela Santos, diretora da Deam, para pedir a concessão de medidas protetivas que proíbam Chimbinha de se aproximar da ex-mulher.

 A assessoria do guitarrista disse que não vai se pronunciar sobre o assunto. No B.O. registrado por Joelma no Jaderlândia, consta que a cantora teme o “gênio violento” do ex-marido, que já teria agredido fisicamente um dançarino da banda, anteriormente, e, por isso, ela deixou a residência do casal no último dia 1º. Além disso, ela disse no depoimento que soube naquela data que Chimbinha teria dito: “isso ainda vai acabar em morte”. 

A separação do casal famoso e também a saída de Joelma da banda foram anunciados há cerca de um mês. Ontem de manhã, Patrícia Baía esteve com a delegada-geral adjunta, Cristiane Ferreira, para pedir que a apuração da ocorrência de violência doméstica e familiar fosse mantida no Jaderlândia, mas não foi atendida sob a alegação que a Deam tem mais estrutura e atendimento especializado nesses casos.

 Rosalina não comentou a transferência do caso para o Deam. A avocação do inquérito dependeria da anuência da delegada de origem mediante a apresentação de justificativa, conforme determina portaria da Polícia Civil, o que não ocorreu. No entanto, a delegada foi ontem de manhã à Corregedoria da PC cobrar a apuração do vazamento do B.O. de Joelma, ocorrido na mesma data em que a artista prestou depoimento. 

Os procedimentos do Sistema de Segurança Pública (Sisp) podem ser acessados de qualquer unidade policial, podendo ser identificado a delegacia, o computador e o usuário que abriu o B.O. da cantora. Dentre outros casos de violação da Lei Maria da Penha que tramitam no Jaderlândia, somente o caso Joelma foi transferido para a Deam.

 A delegada Daniela contestou: “Esse é o único caso que tem relação com a Lei Maria da Penha (no Jaderlândia). A Delegacia da Mulher atende todos os casos de violência doméstica e familiar contra a mulher. Não são todos os casos de violência contra a mulher que são atendidos aqui. Trabalhamos com o protocolo de atendimento multicisciplinar. 

Tivemos contato com a advogada da vítima. Foram reaproveitados todos os depoimentos prestados na Delegacia do Jaderlândia para a solicitação das medidas protetivas que ela já havia solicitado à delegada do Jaderlândia”, disse Daniela, sem revelar detalhes. 

OUTROS- No Jaderlândia continuam tramitando outras duas ocorrências registradas pelas empregadas domésticas de Joelma, que tratam de ameaça contra uma delas e do uso indevido do CPF da outra para registrar um chip de celular usado por Chimbinha. Mas já correm boatos de que poderão ser avocadas para a Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe). Chimbinha será intimado a depor. 

Há 21 dias, ele registrou um B.O. na Delegacia de Crimes Tecnológicos, acusando uma dessas empregadas de enviar mensagens de celular de cunho pessoal para ele.

  O Liberal Digital!

Nenhum comentário:

Postar um comentário