sábado, 29 de agosto de 2015

Conta de luz deve cair 2% Agência de Energia Elétrica mantém bandeira vermelha em setembro, mas com valor menor

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou ontem que a bandeira tarifária seguirá vermelha no mês de setembro. Na prática, os consumidores vão continuar pagando mais caro pela energia consumida, já que a bandeira vermelha mostra que o custo para gerar energia no País está elevado, resultando em cobrança extra. A agência, no entanto, aprovou ontem uma redução de 18% na cobrança que ocorre a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos. 

A cobrança adicional passou de R$ 5,50 para R$ 4,50 a cada 100 kW. A mudança foi resultado da melhora do regime de chuvas e da redução do consumo de energia, devido à desaceleração econômica. Esse cenário mais favorável também permitiu o desligamento das térmicas de maior custo. 

No caso da tarifa paga pelos consumidores residenciais, a Aneel calcula que redução média na conta de luz deverá ser de 2%. Bandeiras - O sistema de bandeiras tarifárias, em vigor desde o início do ano, permite o repasse mensal aos consumidores de parte do gasto extra das distribuidoras com o aumento do custo da eletricidade. A cor da bandeira é impressa nos boletos das contas de luz e sinaliza o real custo de produção da energia no País. 

Se a cor é verde, a situação está normal e não há cobrança de taxa. Amarela, cobra-se R$ 2,50 para cada 100 kWh de energia consumidos. Desde o início do ano é a bandeira vermelha – com cobrança maior – que vigora no país. No dia 11 de agosto, durante o lançamento do Plano de Investimento em Energia Elétrica, a presidente Dilma Rousseff já havia sinalizado que o governo iria reduzir o valor da bandeira vermelha. Depois disso, a Aneel abriu uma audiência pública para recolher contribuições sobre o tema, pelo prazo de dez dias. 

Nesta sexta, a agência tomou a decisão final sobre o novo valor da bandeira vermelha. No início de agosto, o governo anunciou o desligamento de 21 usinas térmicas de maior custo, o que deve gerar uma economia mensal nas operações da ordem de R$ 5,5 bilhões. Por conta da escassez de chuvas, que prejudicou o armazenamento nas represas das principais hidrelétricas do país, o governo vinha mantendo ligadas todas as térmicas disponíveis desde o final de 2012. Como essa energia é mais cara, a medida contribuiu para a elevação do valor das contas de luz. ________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário