quinta-feira, 16 de outubro de 2014

TU, PROFESSOR...

Sim, se hoje existo... É porque foste o néctar que alimentou o beija-flor que agora voou. É porque foste o fruto que me transformou em semente madura. É porque foste o simples oceano que para o imenso rio me guiou. É porque foste a chave certa que abriu a minha ideia futura. É porque foste a história que me epigrafou no livro que agora sou. Sim, se hoje existo... 

É porque foste o grito profundo que me fez ouvir. É porque foste a inspiração que me deixou ser poeta. É porque foste a palavra falante do meu verso em frenesi. É porque foste o anjo desbravador da minha rua deserta. É porque foste o educador que trago dentro do meu existir. Sim, se hoje existo... É porque foste o calor preocupante na minha mente fria. 

 É porque foste o braço forte que me ajudou a seguir. É porque foste o estímulo presente na minha vida vazia. É porque foste o conselho que não me deixou desistir. É porque foste a claridade da noite dentro do meu escuro dia. Sim, se hoje existo... É porque foste o sábio que sempre acreditou em seu discípulo.

 É porque foste a água tranquila nas minhas marés altas. É porque foste o humilde eco dentro do meu simples grito. É porque foste a presença alertando as minhas faltas. É porque foste o espelho onde me vejo e me visto. Sim, se hoje existo... 

É porque foste um dos versos no poema que traço. É porque foste a voz ativa na minha morfologia. É porque foste o personagem na história que retrato. É porque foste o Sócrates da minha ideologia. É porque foste o coração que agora no peito trago. Sim, se hoje existo... 

 É porque foste o sangue que vitaminou minhas veias. É porque foste a sabedoria que simplesmente me seduz. É porque foste o mediador das minhas novas teias. É porque foste o vaga-lume que me trouxe o brilho da luz. É porque foste a estrela cadente que hoje me incendeia. Sim, se hoje existo... 

É porque sou fruto de uma árvore ancestral. É porque sou ovelha de um grande pastor. É porque sou vinho de uma videira quase angelical. É porque sou sepulcro vindo de tua lida de amor. É porque me ensinaste a ser convicto, homem crítico. É porque nas horas tristes me fizeste sorrir... Sim, se hoje ainda existo e alguma coisa sou... É porque aprendi contigo: A ser fértil semente em solo arenoso. 

A alçar meus próprios voos. A escrever a minha própria história. A ser estrela do meu próprio universo. A construir para não ser construído. A aprender, apreender e reaprender. 

 A Ti, querido Professor. Mediador de aprendizagem. Construtor de sabedoria. Tradutor de sonhos. Intérprete de realidades. 

Parabéns! Feliz 15 de Outubro! Homenagem pela passagem do teu célebre dia. SINTEPP – subsede de Itaituba

Nenhum comentário:

Postar um comentário