terça-feira, 28 de outubro de 2014

GRUPO DE RESISTÊNCIA TAPAJÒS: VIDAS SIM, HIDRELÉTRICAS NÃO, APOIA MOVIMENTO DE PROTESTO EM SÃO LUIZ DO TAPÁJÓS CONTRA COMPLEXO HIDRELÉTRICO

No dia 27 de Novembro deste ano  (quinta feira) , São Luiz do Tapajós vai sediar um dos maiores eventos na   Amazonia .   Trata-se - da Caravana da resistência aos Projetos Hidrelétricos da Amazônia em São Luiz do Tapajós.   Itaituba estará irmanada no movimento através do Grupo de Resistência Tapajós:  Vidas sim, Hidrelétricas não e Movimento Tapajós Vivo (Santarém).
diversas entidades de apoiam o movimento do dia 27

 Na noite desta terça feira dia 28, o grupo resistência promoveu sua primeira reunião para tratar estratégias  de apoio a Santarém já que diversas entidades representativas de classe de Itaituba estarão sendo convidadas, assim como escolas Municipais e estaduais, faculdades, associações comunitárias, igrejas etc...
toda essa visão paradisíaca ficaromprometida

A Caravana tem como objetivo realizar um ato religioso/político social de rejeição ao perverso projeto de implantar 7 hidrelétricas na bacia do rio Tapajós e ao mesmo tempo, denunciar os impactos sofridos pelos atingidos por projetos econômicos que exterminam vidas e depredam seus recursos natais e culturais. 
São Luiz do Tapajós sediará movimento

O fortalecimento das lutas das populações atingidas(indígenas), ribeirinhos, pescadores, extrativistas, quilombolas e periferias das cidades, garantia de seus direitos sócio
Nosso belo Rio Tapajós (foto Nazareno Santos)
ambientais. Quatro bispos da Amazônia entre eles Dom Vilmar Santin , Dom Erwin  (Santarém) além de representantes da sociedade civil organizada, do povo Mundurucu e de e entidades acadêmicas.
povos indígenas serão prejudicados pelo  complexo hidrelétrico?

 O movimento espera contar com cerca de  mil pessoas em São Luiz do Tapajós.  Os órgãos de imprensa internacional estarão cobrindo o evento, além da imprensa brasileira e regional.

O movimento local vai promover várias reuniões e seu primeiro ato e estender convite para diversas entidades que indicarão seus representantes no evento.

todas as fotos são de autoria do jornalista  Nazareno Santos

Um comentário:

  1. Quero deixar aqui meu apoio contra o colonialismo que está presente na construção de mais uma hidrelétrica em um rio do Pará. O Pará está sendo uma colônia a serviço dos interesses industriais do Sudeste brasileiro e do capital internacional. Tiram nossos minérios, nossa madeira, exploram nossos rios para conseguir energia e pouco o estado ganha com isso. Sem falar nos danos ambientais e no prejuízo social às comunidades locais. Chega de hidrelétricas no Pará! Chega de nosso estado ser uma simples colônia da União!
    Márcio Rodrigues.

    ResponderExcluir