domingo, 31 de março de 2013

AUDIÊNCIA PÚBLICA COBRA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DOS BARCOS E LANCHAS QUE FAZEM LINHA ENTRE ITAITUBA/SANTARÉM



Não parada em portos intermediários,
atendimento precário por parte dos tripulantes, frota sucateada, foram algumas das reclamações feitas a Arcon, por ocasião da audiência pública que debateu a problemática do transporte terrestre e aquaviário em Itaituba. 

Estiveram presentes representando a Arcon, seu diretor geral Antônio Neto, Antônio Valdez, gerente, capitão de fragata Jorge de Oliveira Andrade(capitania dos Portos de Santarém) entre outros. 

Representando a prefeita Eliene Nunes se fez presente o chefe de gabinete Cezar Aguiar. A audiência contou com as presenças do presidente da Câmara, vereadores Dadinho, Toninho Piloto, entre outros, enquanto que Aveiro também se destacou com expressiva presença dos seus vereadores Preto do Satiro(presidente), Antônio Paulo, Gilmar lira, Francildo(irmão Sildo), Paulo Henrique e Ulisses do Gigico e Irani Bichara.

 A audiência pública em sua primeira etapa foi aberta para discursos dos representantes da Arcon e demais componentes da mesa. O diretor geral Antônio neto disse que a Arcon sempre cu
mpriu seu papel, para isso criou uma ouvidoria para receber reclamações e críticas do usuário a respeito do serviço prestado pelas empresas prestadoras de serviço. Ao se manifestar diversas pessoas representantes de vários segmentos cobram posicionamento da Arcon.

 Advogado Eliezer Sobrinho foi taxativo em dizer que os donos de barcos e suas tripulações prestam péssimo serviço, inclusive reiterando um episódio onde de certa feita foi ameaçado de morte por reclamar do atendimento feito no barco em que viajava para Santarém. 

Em outro protesto feito na audiência pública de forma taxativa foi dito que os donos de barcos tratam os passageiros da mesma forma como jogam as mercadorias nos porões, sem o mínimo de respeito. A falta de higiene nos banheiros e na água e alimentação servida aos passageiros foi outra questão pontuada, com denuncias inclusive de que alguns barcos reutilizam copos descartáveis para economizar.

 Foi pedida também a redução de tarifa haja vista que a qualidade dos serviços não é compatível com o que é cobrado. Representando os donos de barco, Sebastião Lima, dono do barco Motor natureza disse que quanto à renovação de frota hoje está inviável, no atual cenário econômico se torna impossível já que existem na linha 13 barcos e o faturamento é baixo. 

Sabá como é mais conhecido disse  que na década de 80 eram apenas cinco barcos, mas que mesmo assim na medida do possível têm feito investimentos para prestar um serviço de qualidade as pessoas que optam em viajar no seu barco. 

O presidente da Câmara de Aveiro, Preto do Satiro cobrou do diretor geral da Arcon um audiência pública em Aveiro, assim como também criticou os donos de barcos e lanchas que mesmo sabendo que em Aveiro não há alternativa de transporte não ser fluvial, eles não param com freqüência nos portos intermediários causando prejuízos aos moradores.

 Foram muitas críticas ao consórcio dos barcos, onde também foi lembrado que algumas lanchas não tem critério de exibição de filmes quando alguns trazem conteúdo adulto mesmo com crianças presente, assim como também a venda de bebida alcoólica e presença de fumantes causando incômodo aos demais passageiros.

 No término da audiência foi elaborado um documento oficial quando a Arcon se compromete prometeu em reunir com os proprietários de barcos e lanchas para que sejam solucionadas as questões feitas em plenário na audiência pública que ocorreu na Câmara de vereadores de Itaituba.

 O ponto negativo da audiência é que os principais interessados que seriam proprietários de barcos não comparecerem em numero expressivo o que demonstra que eles fazem pouco caso das denuncias e da Arcon.

Nenhum comentário:

Postar um comentário