quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

ITAITUBA E A SAGA HISTÓRIA DE SEUS DESBRAVADORES- ESPECIAL 156 ANOS

PARABÉNS BELA ITA PELOS SEUS 156 ANOS
boca rica, um simbolo da pujança do ouro...
O município de Itaituba está localizado na porção sudoeste do Pará região conhecida como zona fisiografica do rio tapajós se limitando ao norte com município de Aveiro, ao sul com os municípios de Novo Progresso e Jacareacanga, a leste com os municípios Altamira, Ruropólis e Trairão, a Oeste, com o estado do Amazonas. As coordenadas geográficas da sede do município são. 04 16 ´´34’’ de latitude sul e 55º 59´´0 05’’ de longitude de Greenwich. 
Ícone de um frenesi de pouso e decolagens na década de 80,em nosso aeroporto

 A cota mais alta atinge 49 490m, enquanto a mais baixa chega a 21m. O município ocupa uma área no total de 52.565 km2, com aproximadamente 96% de suas terras banhadas pelas bacias do Rio ITAITUBA VEM DO TUPI_GUARANI A cidade de Itaituba, sede do município, que na língua tupi guarani quer dizer muita pedra miúda localiza-se as margens do rio tapajós com distância em linha reta de 891 km de capital.

Sonda Bar em seu modelo original(foto do arquivio pessoal de Nazareno Santos)
Primeiro Fusca a circular em nossa cidade...Credito de todas as fotos-Nazareno Santos
 Itaituba antes de ter sido desmembrado de Jacareacanga, Novo Progresso e Trairão, já foi considerado o maior município do Brasil e do mundo com área de 165. 578 km2 tendo perdido os respectivos territórios no ano de 1993. Com a emancipação territorial política, Itaituba mesmo com os 62.041 km, ainda é considerado um dos maiores do Brasil e também se destaca entre os 143 municípios paraenses. 

De acordo com o censo do IBGE (nova recontagem 2007) a população de Itaituba oficialmente passou caiu de  118.403.(cento e dezoito mil quatrocentos e três habitantes) para 97 mil o que causou problemas no repasse do FPM igualmente reduzido.


 INDIOS MUNDURUCUS BATIZAM A CIDADE COM NOME DE ITAITUBA. 

Atendimento pelo Funrural, ação administrativa do prefeito Raimundo Altamiro
 No passado a escolha dos nomes das localidades, rios serras e outros em aspectos visuais eram relacionados às paisagens, os nomes geralmente eram escolhidos em meio a importante ritual dos índios Mundurucus. A escolha se dava em meio a uma Assembléia. Era onde os graduados das tribos se reuniam, discutiam as propostas e decidiam os nomes que na ocasião recebiam a sanção solene. 

Antigo prédioe da Prefeitura, hoje em ruína
E foi assim que foi dado o nome Itaituba para esta região. Na assembléia o que mais contribuiu para a escolha desse nome é que em frente à cidade, principalmente á margem esquerda do Rio Tapajós, existiam muitas pedras pequenas, branquinhas conhecidas como seixo. Mas em tupi guarani Itaituba tem o seguinte significado.

 ITA-PEDRA Ita - pedra I- Pequena TUBA-Abundância. ou seja, pedras pequenas em grande quantidade E esse fato cultural tinha tanta importância, que geralmente quanto havia algo a ser denominado, o graduado das tribos se reuniam, discutiam as propostas e decidiam os nomes, que recebiam na oportunidade a devida sanção solene, já foi que o ritual de escolha seria para oficializar a escolha.

 E foi dessa maneira que foi escolhido o nome Itaituba para esta região. E isto foi feito, tendo em visto que em frente da cidade (toda a extensão da Av. Getulio Vargas atualmente ), principalmente a margem esquerda do rio tapajós existem ainda muitas pedras pequenas (popularmente conhecida por seixo ). Tapajós e o restante pela bacia do Rio Amaná.

 EXPEDIÇÃO DE PEDRO TEIXEIRA EXPLORA O TAPAJÓS

 Com a expedição de Francisco Caldeira de Castelo Branco e as incursões holandesas, Francesas e Inglesas no estuário do Rio Amanas forçosamente os Portugueses vieram ao Pará, sendo a cidade de Belém oficialmente fundada pelo comandante Francisco Caldeira de Castelo Branco. Mas para sua instalação houve uma árdua batalha após as primeiras lutas com os índios, sendo ai superada as barreiras para a instalação tratada sob governo de capitania com o objetivo de expulsar os estrangeiros que infestavam o Delta Amazônico.

 Para isso foi montada vitoriosa estratégia de estabelecimentos provisórios e fortificações ligeiras, além do começo do trato com os selvagens. Para Itaituba dentre as várias expedições espalhadas nos enviaram a do Capitão Pedro Teixeira, no ano de 1626, tendo o mesmo desbravado pela primeira vez o majestoso e desafiador Rio Tapajós, passando a manter relações amigáveis com os nativos, em um sítio hoje considerado a bacia de Alter do Chão. Pela segunda vez desta feita em 1639 o indômito Capitão Pedro Teixeira voltou novamente ao Rio Tapajós. Após o devido mapeamento Pedro Teixeira descobriu o rio em sua praticabilidade de navegação por grande extensão. Na seqüencia vieram os Catequistas, que em muito contribuíram para o desenvolvimento do Pará e do Brasil, nos primórdios de sua colonização.

 FORTE NA FOZ DO RIO TAPAJÓS-

 O forte na Foz do Rio Tapajós foi iniciado em 1697 por Francisco da Costa Falcão, vindo em seguida os Jesuítas que continuamente fundaram os aldeamentos de São José ou Matarus, em 1722, e depois já em 1737 São Inácio ou Tupinabarana e Boari e Arapiuns. Os aldeamentos Jesuíticos do Rio Tapajós foram considerados notáveis pelo seu desenvolvimento e progresso dentro do processo da larga escala de produção de riquezas geradas no período colonial. Mas a primeira exploração mineral ocorreu em 1742 quando o aventureiro Leonardo de Oliveira desceu o Rio Tapajós saindo do Planalto Central do Brasil, região considerada mineira. 

Cinco anos depois em 1747 outro destemido explorador, João de Souza Azevedo também empreendeu jornada enfrentando a exemplo do primeiro todas as intempéries e dificuldades naturais da época numa soma de coragem e genialidade. A partir de 1754 com a administração do Capitão General Francisco Xavier de Mendonça Furtado, seu governo de caráter civil iniciou a expulsão dos Jesuítas da direção das aldeias por eles criadas e fundadas na região do Tapajós no período na categoria de Vila com o nome de Santarém aldeia do Tapajós. 

A essa primeira elevação sucederam também as de Boari e Arapiuns em 1757, com os nomes de Alter do Chão e vila franca, e em 1758 as de São Inácio e São José, denominadas de Boim e Pinhel. Com todas essas alterações políticas- geográficas o governo de Mendonça Furtado submeteu o vale do Tapajós sob total domínio do Grão-Pará. Depois de Mendonça furtado o lugar denominado de Aveiro em 1781 foi fundado pro José de Nápoles Telo de Azevedo, tendo posteriormente ali erguido a freguesia de Nossa Senhora da Conceição. Os povoados de Curi e Uxituba por determinação e incentivo do governo do Grão-Pará foram criados do Alto Tapajós até o Mato Grosso. 

Mas de acordo com documentos históricos da época em 1812 já existia o lugar de Itaituba citado na relação de viagem realizada por Miguel João de Castro, o rio Tapajós que explorou cachoeiras acima até o Mato Grosso. O certo é que já nesta época Itaituba já despontava como sendo o centro de exploração e comércio de especiarias do Rio Tapajós com ênfase para a exploração aurífera. Pelas informações, pelos documentos gerados na época é muito provável que nesse ano o lugar não passasse de um mero entreposto comercial com as barracas que sempre acompanham as formações de comércios, o que também no período definiu o efetivo esforço e dedicação do povo de Santarém na ocupação do Rio Tapajós.

 BRASÍLIA LEGAL É FUNDADA EM 1836-

 Com o bandidismo aflorando, crescendo vertiginosamente na então Província do Grão-Pará, e os fatos de 1935 causados pela guerra da Cabanagem para servir estrategicamente como um posto de resistência às margens do Rio Tapajós sobre um pequeno lombo de terra firme foi criado Brasília Legal onde se fixou um destacamento de voluntários. No ano desses acontecimentos, Itaituba não passava de um aldeamento de índios sob dependência da Província do Grão-Pará segundo informações do historiador Ferreira Pena que informa que Itaituba também recebeu um pequeno destacamento.

 TENENTE CORONEL JOAQUIM CAETANO CORREIA É O FUNDADOR DE ITAITUBA. 

 Por seu espírito indômito de explorador como precursor de todos os desdobramentos na região Tapajônica, geograficamente de Itaituba para cima, principalmente do Alto Tapajós, foi concedido oficialmente ao Tenente Coronel Joaquim Caetano Correia o galardão, a glória de fundador de Itaituba. Até 1853 Itaituba não tinha sua autonomia, dependendo da Freguesia de Pinhel e passando posteriormente para a freguesia de Boim.

 Em 1854, com a Lei nº 266 de 16 de Outubro, Brasília Legal ganhou a categoria de Vila indo sua extensão territorial até Salto Augusto, no final das terras da província do Grão-Pará consagradas pela Legislação provincial nos âmbitos judiciários e políticos. Mas Brasília Legal não tendo correspondido a expectativa da condição de sede municipal que lhe fora outorgada, a Lei Provincial de 1856 de nº 290 de 15 de Dezembro transferiu para Itaituba (já em franco desenvolvimento) a sede do município, que inicialmente não chegou a ser instalada.

 A cerimônia que oficialmente concedeu a autonomia territorial de Itaituba só ocorreu no dia 3 de novembro de 1857 ou seja, um ano após sua criação. Em ofício de 22 de julho de 1857, a Câmara municipal de Vila Franca, constituída por Antônio José pereira Pisa, Francisco Gomes Lopes, Francisco Antônio Ferreira do Lago e João Florêncio dos Santos, comunicou ao presidente da Província haver recebido seu ofício de 23 de abril passado, determinando as providências para a eleição dos vereadores para a Câmara de Itaituba que se realizou naquele pleito de 20 de julho e que convidara o vereador mais votado, para junto a ele juramentar-se em Vila Franca, município hoje extinto, e do qual se desmembrara Itaituba.

Banho às margens do Rio Tapajós...lazer em uma era paradisíaca
 O vereador mais votado como tal presidente da nova Câmara Municipal, na forma da legislação vigente, era Francisco Antônio de Faria que atendendo o convite de Vila franca compareceu-se para juramentar-se. No ato da instalação da Câmara de Itaituba que realizou-se em 3 de Novembro de 1857, Francisco Antônio de Faria juramentou os vereadores Antônio Correia, Joaquim Lourenço Cardoso , Matias Marinho de Nazaré e Silvério de Albuquerque Aguiar, os dois últimos suplentes, na falta de José Pedro Cordeiro e Vitoriano Anacleto Cardoso. Com a Proclamação da República procurou o presidente da Câmara, Joaquim Caetano Correia, reuni-la para deliberar sobre a adesão, não tendo conseguido resolvendo por isso e de acordo com o vereador Manoel Pedro Ferreira Campos, fazerem os dois por ofício de 6 de Dezembro de 1889 a adesão do Município e da Câmara ao novo regime.

Uma tradicional familia Itaitubense da década de 60
O governo provisório do Estado com o Decreto Lei nº 103 de 13 de março de 1890 dissolveu a Câmara criando com o novo decreto nº 104 da mesa data o Conselho municipal de Intendência Municipal, o qual no meso dia nomeou presidente o padre Mateus Augusto da Silva Franco; e vogais Joaquim Lagos, Miguel Benjamim Macambira e José Francisco Leite. 

PADRE SE REBELA- O Padre Mateus Franco não aceitou a nomeação e indicou para substituí-lo Bernardino Rodrigues de Oliveira, que foi aceito e nomeado pelo governo provisório, havendo o Conselho tomado posse em 26 de Abril de 1890, funcionando até o dia 15 de novembro de 1891. O primeiro Conselho Municipal eleito diretamente para o triênio de 15 de Novembro de 1891 a 15 de novembro de 1894, foi constituído pelo Tenente Coronel Joaquim Lourenço Cardoso, Tenente Leopoldo Augusto de morais, Alferes José Peixoto e Rafael Toledano.

 A Câmara perdurou até 1902, quando a lei nº 814 de 2 de Outubro de 1902 a extinguiu. COMARCA SE INSTALA EM 1891-Pelo Decreto Lei nº 226 de 28 de Novembro de 1890, conjuntamente com Afuá, Baião e Mazagão, tiveram Itaituba, a categoria de Comarca instalada em 20 de fevereiro de 1891, sendo primeiro juiz de Direito Dr. José Gomes Souza Portugal. A lei nº 684 de 23 de Março de 1900, deu a Itaituba o procedimento de cidade instalando em 15 de Novembro de 1901.

 ITAITUBA SE DESTACA EM EXPOSIÇÃO EM LONDRES-

No ano de 1914, quando tinha apenas 58 anos de fundação, Itaituba se destacou em Londres numa exposição de produtos exóticos Tropicais ali realizada, mostrando assim aos Ingleses sua vigorosa pujança de suas riquezas nativas, assim como também seu potencial de fertilização de suas terras. Itaituba com garbo representou muito bem o Pará, sendo a primeira comuna do interior da Amazônia a tornar-se conhecida na Inglaterra.

professor Felipe melo, recepcionando o então governador Aloisío Chaves
 O Decreto Estadual nº 6, de 4 de Novembro de 1930, manteve o município de Itaituba o que entretanto não se verificou pelo Decreto Estadual nº 78, datando 17 de Dezembro de 1930 que coloco  seu território sobre a administração direta do Estado. Já no quadro anexo do Decreto Estadual nº 2792 de 31 de Março de 1938, apenas dois distritos integram Itaituba, sendo eles Itaituba e Brasília legal, o mesmo ocorrendo no qüinqüênio de 1944/1948, pelo Decreto Lei nº 4.505 de 30 de Dezembro do ano de 1943. 

Depois de constituída Legislatura em 1955 foi eleito prefeito Altamiro Raimundo da Silva, sendo que nesse ano a Câmara de vereadores de Itaituba ficou composta de 7 vereadores.

4 comentários:

  1. Vou comentar sobre duas belíssimas fotografias que constam na matéria.
    A primeira foto é a 'banho às margens do rio tapajós'. Uma canoa onde apar ecem o 'Tio Tote' (como era conhecido), o saudoso Antonio Gonzaga Barros e sua esposa Nídia Cohen Barros, a 'Tia Nídia', casal que me acolheu em sua casa, que ficava na Av. Getúlio Vargas, próximo do trapiche municipal, quando estudei aí em Itaituba nos anos de 1976 e 1977. Foram dois anos que aprendi, à base da sabatina (no rigor do aprendizado) a tabuada e nunca mais esqueci as quatro operações. Valeu...
    A outra foto, onde a legenda da foto cita uma família tradicional itaitubense, é a família do 'Tio Tote' e faço questão de nomina-los da esquerda para a direita: Antonio Gonzaga Barros (Seu Tote Barros), à sua frente seu filho Ivanildo Cohen Barros (Vane), ao lado deste a sua irmã Ivelises Barros Klein, e ao lado desta a sua mãe Nídia Cohen Barros (Dona Nídia).
    São duas fotos raríssimas e que me trazem saudades, pois foi com eles, 'Tio Tote' e 'Tia Nídia', que absorvi parte da minha educação, logo que saí de Aveiro aos 10 anos para estudar o antigo ginásio. Agradeço a eles pelo aprendizado que tenho. Saudades...
    Hitamar Santos
    Aveiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que fotos deliciosas!!! Minha família!!! ;-)

      Excluir
  2. Parabéns por esse pequeno texto, porém grandioso, que ao ler voltamos ao passado da história dessa cidade tão querida, há dias que estou fazendo uma pesquisa sobre a história de Itaituba e analisei que é raro encontramos assuntos que relatam a história de Itaituba. Parabéns !!!

    ResponderExcluir
  3. obg por min ajudar no dever de casa

    ResponderExcluir